top of page
  • Foto do escritorCAUÊ OLIVEIRA

Learning Agility: o que é e como usá-la para desenvolver lideranças de alta performance?



Ter agilidade é fundamental para as empresas de hoje, sendo uma melhoria relevante em projetos, processos, entregas e atividades. Porém, muitas organizações ainda não despertaram para a necessidade de desenvolver a learning agility, especialmente em suas lideranças.


Aprender rapidamente não significa perder qualidade. Muito pelo contrário, a partir da otimização do processo de desenvolvimento, alcançamos resultados ainda mais satisfatórios que os modelos lentos e burocráticos dos treinamentos tradicionais.


Logo abaixo, apresentamos esta nova proposta para desenvolver lideranças e mostramos como a sua empresa pode capacitar pessoas com mais eficiência. Continue a leitura!


O que é learning agility?


Learning agility é a velocidade com que uma pessoa desenvolve novas competências e experiências no trabalho. Nesse sentido, lideranças com aprendizado ágil conseguem se adaptar melhor às mudanças e atingem a alta performance mais cedo.


Uma interessante definição do conceito pode ser encontrada no artigo “Improve Your Ability to Learn”, de J.P. Flaum e Becky Winkler, publicada na Harvard Business Review:

“Uma mentalidade e um conjunto correspondente de práticas que permitem que os líderes desenvolvam, cresçam e utilizem continuamente novas estratégias que os equiparão para os problemas cada vez mais complexos que enfrentam em suas organizações.”


Os autores trazem um conjunto de pilares que norteiam as pessoas com essa capacidade de aprendizado ágil. Nesse sentido, uma liderança pode ter mais learning agility, a partir destes quatro aspectos:


Inovação


Lideranças inovadoras conseguem aprender mais rapidamente, à medida que enxergam os problemas e cenários por perspectivas diferentes dos demais. Todo o processo de criação e inovação é, em algum nível, uma forma de aprender. O conhecimento é adquirido tanto daquilo que deu certo como com as experiências frustradas.


Desempenho


A busca por desafios para aprender enquanto produz é outro pilar da learning agility. O choque entre o que já sabemos e uma nova realidade acelera o processo de desenvolvimento.


Além disso, os desafios expõem os limites do que sabemos atualmente, direcionando as prioridades de desenvolvimento.


Reflexão


A pessoa com mentalidade de learning agility questiona os próprios conhecimentos, habilidades e atitudes, absorvendo feedbacks e pensando criticamente sobre as experiências que vivencia.


É, de certa forma, um exercício de reconhecer as próprias vulnerabilidades como parte do processo de desenvolvimento.


Riscos


Ter iniciativa e arriscar, saindo constantemente da zona de conforto, é um dos princípios mais importantes. As pessoas que aprendem rapidamente não temem os erros, pois entendem que fazem parte do processo de aprendizado.


Defender


O artigo menciona um não fazer essencial, que é adotar uma postura defensiva em relação às mudanças. Para aprender rapidamente, as pessoas não podem ter uma mente fechada diante de novos desafios e conhecimentos. A disponibilidade deve fazer parte da mentalidade, permitindo a rápida absorção de novas competências e experiências.


Como desenvolver a learning agility nas lideranças?


O desenvolvimento de lideranças focado na learning agility incorpora os pilares ao processo. Estes são como princípios que norteiam as atividades e devem ser traduzidos em novas práticas.


Confira, a seguir, algumas dicas para implementar o aprendizado ágil na sua empresa.


Realize de pesquisas e avaliações


Uma primeira medida é identificar o que realmente precisa ser alvo de desenvolvimento, por meio de dados sobre as lideranças.


Pesquisas e avaliações internas podem nos dar clareza sobre as lacunas de competência, servindo de ponto de partida para um desenvolvimento mais ágil.


Esse mapeamento das necessidades fornecerá feedback precisos sobre o que precisa ser aprendido. Igualmente, saberemos quais são os desafios de cada pessoa de modo a alcançar a liderança de alta performance. Não menos importante é saber o que não capacitar. Muitas vezes, treinamentos e cursos tradicionais consomem esforço em questões pouco conectadas ao trabalho — que logo serão esquecidas — apenas para cumprir um programa. A learning agility também é, nesse sentido, priorizar o essencial.


Incentive desenvolvimento individual das lideranças


Os pilares de desempenho, reflexão, inovação e riscos mostram que a aprendizagem rápida não é um processo formal. É uma atividade em que, continuamente, tentamos incorporar novas competências e experiências.


Por isso mesmo, as lideranças não podem se capacitar apenas quando estamos olhando, como aconteceria com todos em uma sala de aula física ou virtual. Na prática, dependemos da proatividade das pessoas no processo de desenvolvimento de lideranças.


Parte do trabalho é a sensibilização sobre a necessidade de aprender. Uma boa proposta para atingir esse estágio é o feedback 360º. Ao oferecer diferentes perspectivas, a liderança tem mais chances de despertar, comparando a autoavaliação com o retorno fornecido por gestores e equipes.


É importante que os assuntos das capacitações realmente tenham conexão com aquilo que a pessoa faz no trabalho. Diferentemente da escola, é difícil alguém ficar motivado a estudar apenas por estudar, sem nenhum tipo de repercussão imediata no ambiente de trabalho.

Crie um ambiente de aprendizagem


O ideal é inserir a aprendizagem contínua como parte da cultura da empresa. Nesse sentido, o pilar de não adotar uma estratégia defensiva diante das situações é a pedra fundamental para criar um ambiente mais aberto.


Quando as pessoas reconhecem que não sabem de tudo, a busca por conhecimento se torna uma atividade mais recorrente. O ambiente de trabalho será um local em que se entende a importância de aprender uns com os outros, bem como de buscar fontes de informação para superar os desafios.


Aliás, a diversidade cognitiva é um dos passos mais importantes para a cultura de aprendizagem. Se todos pensam da mesma forma, é difícil imaginar que alguém esteja evoluindo e combinando ideias para chegar a novos resultados. Ter diferentes pontos de vista, experiências e competências é a base da inovação.


Articule teoria e prática no processo de desenvolvimento


Uma figura que ilustra bem a learning agility é a espiral. Cada volta termina em um círculo maior, ganhando força e expandindo-se indefinidamente. No desenvolvimento de lideranças, esses ciclos dizem respeito a aprender, praticar e impactar.

Após identificar uma necessidade, a liderança aprende com diferentes atividades, como:

  • artigos;

  • palestras;

  • seminários;

  • tarefas simuladas.

A seguir, o aprendizado é colocado em prática no ambiente de trabalho. O que gera um impacto junto às equipes.



Ao retomar o ciclo, já com a experiência de executar o que foi aprendido, a pessoa pode se dedicar a reforçar os temas, buscar novas lições, corrigir erros etc. E o ciclo de competências se expande, com a liderança dominando cada vez mais conhecimentos e habilidades.

Com a Youleader, você pode preparar as lideranças em learning agility, transformando o processo de capacitação e desenvolvimento da sua empresa. Logo, terá pessoas mais preparadas para se adaptarem às novas realidades, que aprendem de forma rápida e contínua para acompanhar o ritmo das mudanças.


Que tal começar a transformar as lideranças da sua empresa agora mesmo?

Conheça as soluções da Youleader e implemente a aprendizagem ágil!

10 visualizações0 comentário

תגובות


bottom of page